Hb 12:15 atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados;

Você lembra a Parábola da ovelha perdida?

Jesus, o bom pastor foi buscar a centésima ovelha, e depois de achá-la festejou seu resgate e alegrou-se com seus amigos. Mas qual a razão da ovelha se perder? Ela afastou-se do rebanho.

Deixe-me falar-lhe um pouco sobre as características de uma ovelha. Ela é um animal míope, inseguro, indefeso e também rebelde. Ela não pode proteger-se contra os predadores. Ela não tem um bom senso de direção. Sua segurança está em ficar perto do pastor e junto do rebanho. Sempre que se desgarra e se afasta da companhia das outras ovelhas, está sujeita a cair e ferir-se.

A figura da ovelha que se afastou do rebanho é sugestiva para aquilo que queremos mostrar aqui. Não foi por acaso que Jesus viu os homens aflitos como ovelhas sem pastor e como isso era ruim… Ter um pastor que acompanhe, cuide e zele é primordial ao bem-estar de um cristão. Estar junto do rebanho, perseverando na doutrina dos apóstolos, em comunhão, no partir do pão e nas orações é vital para sua segurança frente aos predadores.

Mesmo depois de convertidos, continuamos como ovelhas. Não podemos caminhar pautados em nossa própria força. Dependemos de Deus e uns dos outros, no caso em questão, na Casa do Senhor – ambiente onde as ovelhas do aprisco se reúnem. Não podemos nos afastar da congregação. Não é seguro viver isolado do rebanho. Há um leão que ruge buscando a quem possa tragar… É preciso estarmos cuidando e orando uns pelos outros, e isso é impossível de fazer em casa…

Há um pensamento que diz: Existem duas coisas que o homem não pode fazer só: uma é casar; a outra é ser cristão – não existe cristão só.

Ouça atentamente a seguinte ilustração: Certa vez um membro da igreja desapareceu sem deixar aviso. Após algumas semanas, o pastor da igreja decidiu ir visitá-lo. Era uma noite muito fria e o pastor o encontrou em casa sozinho, sentado ao lado de um fogo bonito. Já sabendo a razão para a visita, o homem deu boas-vindas ao pastor e o convidou para se assentar ao lado da lareira e ficou quieto, “esperando o sermão”. Mas o pastor nada disse. Tão somente ficou contemplando a dança das chamas em volta da lenha ardente, como que ensaiando algumas palavras que nunca vinham. Após alguns minutos, o pastor tirou uma brasa ardente com uma tenaz e deixou-a de lado.

Voltou ao seu lugar e continuou em silêncio.

Quando a brasa já ia se apagando, o pastor jogou-a de volta na lareira e ela se reacendeu.

O dono da casa, que também tinha ficado calado até então, a tudo observava.

Antes de ir embora, o pastor fez uma oração e despediu-se. E o homem disse-lhe à porta:

– Até domingo, pastor!

– Até domingo, meu irmão.

Pr. Alexandre

Crente em casa tem vida Curta…

Artigos Relacionados

Classificado como: