Ouvir Músicas Seculares NÃO CONVÉM e NÃO EDIFICAM

São vários gêneros musicais, melodias e tons para agradar todos os gostos… Cantores, cantoras, grupos, bandas… Ritmos dos mais variados… Estilos e letras que marcam até mesmo a época de nossa infância – estamos falando das músicas seculares, comumente chamadas pelos cristãos de músicas do “mundo”.

Não faz muito tempo, Ariano Suassuna (que já foi secretário de Cultura do Estado de PE) publicou uma crítica ao Forró atual dizendo o seguinte: “Tem rapariga aí? Se tem, levante a mão!” E a maioria das moças levanta a mão.

Diante de uma platéia de milhares de pessoas, quase todas muito jovens, pelo menos um terço de adolescentes, é sempre assim, o vocalista da banda que se diz de forró utiliza uma de suas palavras prediletas (dele só não, de todas as bandas “modernas” do gênero).

As outras palavras são ‘gaia’, ‘cabaré’, e bebida em geral, com ênfase na cachaça. Esta cena aconteceu no há pouco tempo, numa das cidades de destaque do agreste (mas se repete em qualquer uma onde estas bandas se apresentam). Nos anos 70, e provavelmente ainda nos anos 80, o vocalista dizendo: “Tem rapariga aí? Se tem, levante a mão!”, teria dificuldades em deixar a cidade.

Hoje, sabe-se que a música secular, com raríssimas exceções, serve para alguma coisa, mas a coisa tá feia, e por certo que o Espírito Santo que em nós habita, nos incomoda, sem sombra de dúvida, pois está também interessado naquilo que a gente houve.

Realmente, alguma coisa está muito errada com esse nosso país, quando se levanta a mão pra se vangloriar quem é rapariga, cachaceiro, que gosta de puteiro, ou quando uma mulher canta ‘sou sua cachorrinha’. Aonde vamos parar?

Como as mulheres querem respeito como havia antigamente? Se hoje elas pedem ‘ferro’, ‘quero logo 3’, ‘lapada na rachada’? Os homens vão e atendem.  É “pra frente” as pessoas continuarem vibrando por serem putas e raparigueiros? Sem falar na onda de agora que é “chama pra cocheira”. O que isso significa realmente?

Já fui questionado algumas vezes sobre se é errado ouvir músicas mundanas, mesmo com o objetivo de exercitar o talento musical (creio ser esta a dúvida de muitos músicos).

Já me perguntaram também se é errado tirar arranjos de compositores não cristãos, com a finalidade de treinamento e prática…

Alguns adoradores têm se perguntado: Será que posso ouvir músicas mundanas mesmo sabendo que os propósitos da composição não são cristãos?

Primeiro, não podemos cair na armadilha de achar que toda música não cristã ou é diabólica, ou é demoníaca, ou é do inferno, ou é esotérica, ou é consagrada a deuses, etc. Na verdade isto é puro exagero de quem pensa que vê o Diabo em tudo!

Se assim fosse não poderíamos cantar ou sequer ouvir a música Parabéns pra você, o Hino Nacional, e até aquelas músicas compostas por cristãos, mas que não falam de Deus e nem da Palavra de Deus… Dizer que tudo é diabólico é puro exagero de quem só fala e pensa no “Coisa Ruim”.

Segundo, não podemos ser ingênuos achando que a música do mundo não tem poder de influenciar; porque tem! Ninguém pode se julgar forte (espiritualmente) a ponto de não ser influenciado pelas muitas músicas com mensagens anti-bíblicas de hoje.

Dar a desculpa de que estão desenvolvendo a técnica musical e acabar ouvindo com frequência músicas realmente terríveis aos olhos de Deus é pura ingenuidade em querer enganar a Deus. Alguns músicos e cantores cristãos sabem das mensagens anti-bíblicas que ouvem, mas continuam a ouvir porque gostam. Aí é o problema já é outro.

É pecado ouvir músicas do mundo? Não convém! Assim como a boca que louva a Deus, não louva ao diabo, os ouvidos são igualmente consagrados ao Senhor, Dt 28:62; Pv 21:13; Is 50:4,5.

Pr. Alexandre