Reinado de Momo? Crente Folião? NÃO MESMO!

“MOMO”, segundo a mitologia grega, era um deus filho do deus do sono e a deusa da noite…

Um dia MOMO começou a criticar as maravilhas feitas pelo deus Netuno, Vulcano e Minerva, o que provocou sua expulsão do Olimpo; vindo então habitar no reino dos homens na terra; e MOMO veio sorrindo como se nada lhe tivesse acontecido e, perdido nesse contexto, com seus olhos escondidos por uma máscara, passou a observar todas ações divinas e humanas, e nelas encontrando motivos para se divertir e fazer suas zombarias.

(CARNA = carne, VAL = festival) Carnaval = Festival da Carne.

Em muitos estados brasileiros, principalmente no Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Pernambuco algumas igrejas se programam, oram jejuam e saem pelo meio da folia de carnaval ou formam seus ‘blocos’ para evangelizar. No entanto, a Bíblia diz que tudo é lícito, mas nem tudo convém. E se há algo que não convém é sair em meio à folia pra falar de Jesus. Carnaval é sinônimo de zombaria, balbúrdia, desordem, violência extrema, sexo irresponsável, orgias, bebedices, glutonarias. É tolice dizer que carnaval é folclore e/ou cultura. Bobagem de quem não tem responsabilidade, nem compromisso com a Palavra de Deus. Loucura desmedida. Insensatez e falta de discernimento espiritual.

Primeiro, porque quem está brincando carnaval não está interessado em saber algo sobre Jesus.

Segundo, porque de brincadeira, o carnaval não tem nada. É à vera mesmo, a festa da carne e dos excessos: bebida, tira-gosto, frevo, suor e até violência.

Terceiro, porque o ambiente da folia, em meio ao trio-elétrico, nas ruas e calçadas não é um lugar propício ao reconhecimento do pecador, característica indispensável da conversão. Há uma frase que diz: Não se deve falar de coisas espirituais em uma atmosfera que não é espiritual, é como chocar ovos em uma geladeira.

Quarto, porque algum crente, ainda que bem intencionado, pode sofrer algum tipo de agressão verbal ou física, por algum folião mais alterado ou embriagado. Além do que se o cônjuge não for evangélico, não vai entender a agressão sofrida e vai cobrar isso da igreja ou do pastor daquela igreja que planejou tal ato impensado e inconsequente.

Então você acha que convém os crentes saírem em meio à folia para evangelizar? Não. Em absoluto. É bem melhor participar de um retiro espiritual da igreja ou ficar em casa se protegendo do festival da carne, que só provoca consequências desastrosas ao ser humano.

Pv 22:3 diz: O prudente vê o mal e se esconde; mas o simples passa adiante e sofre a pena.

(Pr. Alexandre)